Receba as novidades do Instituto:

© ekloos 2017    |    Instituto Triunfo  |    Todos os direitos reservados

instituto triunfo, triunfo, rodovias, social, cultura, cidadania, educação, infância, projetos sociais, responsabilidade social

Veja o vídeo e fique por dentro da campanha!

Dentre as causas acidentais, o trânsito é a que mais mata

crianças no Brasil. Vamos mudar essa realidade?

Você sabia que o trânsito mata cerca de 3 a 4 crianças por dia?

O uso correto dos equipamentos de segurança aumenta em 71% a probabilidade da criança superar com vida uma colisão.

No entanto, especialistas apontam que 8 em cada 10 desses equipamentos são utilizados incorretamente.

Quais são os erros mais comuns?

INSTALAÇÃO DO

EQUIPAMENTO

ESCOLHA DO

EQUIPAMENTO

QUANDO MUDAR

PARA O CINTO

A escolha do equipamento certo é pelo peso e altura da criança. A idade é só um indicativo.

Cuidado com a instalação. Segurando na base, tente balançar a cadeirinha com força para os lados ou para frente, se ela se mover mais de 2,5 cm para qualquer direção é porque a instalação está incorreta.

O cinto de segurança é feito para pessoas com mais de 1.45m, então não é porque a criança completou 8 anos que já pode sair do assento elevado!

Assista aos vídeos informativos

1

Utilização incorreta

dos equipamentos

2

Escolha do equipamento para bebês

3

Escolha do equipamento para crianças de 1 a 4 anos

4

Escolha do equipamento para crianças acima de 4 anos

5

Como saber se instalei corretamente?

Dicas para sua criança

Está em dúvida sobre qual é o equipamento correto para seu filho(a)? Procure na tabela e clique no quadradinho que corresponde à idade e peso da criança.

Dicas básicas

icon-01.png
icon-02.png
icon-03.png
icon-05.png
icon-06.png

Quando trocar 

o equipamento?

Ajuste

correto

Instalando o

equipamento

Comprando o

equipamento

Como funciona

a adaptação?

 

Instalando o equipamento

Esse é um passo que vai mudar muito dependendo da marca e modelo do equipamento e por isso é tão importante verificar no manual de instruções. Mas, de uma forma geral podemos dizer que aqui no Brasil temos 2 formas de instalação:

ISOFIX 

O sistema Isofix é um padrão internacional de fixação de dispositivos que servem para a acomodação e proteção de crianças em automóveis. Este sistema é da ‘Organização Internacional de Padronização’, a mesma que criou o ISO 9001 e o ISO 14001. 

Nesse sistema, existem dois ganchos no assento do veículo que estão conectados a uma barra horizontal, fixada diretamente na estrutura do carro. Também contam com um terceiro ponto de fixação, ou na parte de cima do equipamento ou como um pé de apoio para regular na altura do assoalho do veículo. 

 

1

Além de mais seguro, o Isofix é mais prático de instalar. Você deve apenas encaixar as presilhas da cadeirinha nos ganchos do assento do veículo. Ao ouvir um “clique” saberá que a conexão foi feita e equipamento está fixado. Para desprender a cadeirinha, cada presilha conta com um botão que libera a trava. Também é um procedimento muito simples.


A grande questão é que este sistema ainda não está disponível no Brasil em todos os veículos e nem em todas as marcas de equipamentos. E não adianta o veículo ter ISOFIX se a cadeirinha não tem e vice-versa. 
 

2

CINTO DE SEGURANÇA

Essa é a forma mais comum de fixação das cadeirinhas no carro e pode ser tão seguro quanto o sistema ISOFIX, se utilizado corretamente. O problema é que a instalação com cinto não é tão simples, variando entre marcas e modelos. 


É necessária muita atenção, pois, segundo o Detran, 8 em cada 10 cadeirinhas são instaladas de forma incorreta! 
 

Desde 2010 todas as cadeirinhas produzidas no Brasil exigem fixação em cintos de 3 pontos e não apenas em cintos abdominais (de dois pontos). Assim, nenhum dos equipamentos disponíveis no mercado foram desenhados e testados para uso em cintos abdominais, e a adaptação pode colocar a criança em risco. 

Teste de instalação

Após seguir o passo a passo do fabricante (explicado no manual do equipamento) temos dois pontos para verificar: 
 

O primeiro é se não tem nenhum ponto em que as tiras do cinto estão torcidas, pois isso reduz a eficácia do cinto.

O segundo, e mais importante, é fazer o ‘teste do balanço’: segure na base do equipamento e tente o chacoalhar! Se o equipamento balançar mais de 2,5 cm para os lados ou para frente significa que a instalação não está correta. Reveja o manual para verificar se todos os passos indicados pelo fabricante foram seguidos corretamente, afinal cada modelo é diferente. Depois, procure tirar ao máximo a folga do cinto. Para isso, você pode precisar da ajuda de outro adulto, que vai pressionar o equipamento contra o banco com toda a força enquanto você puxa e trava o cinto. 

Outra forma de tirar a folga do cinto é com esta técnica, explicada também no nosso vídeo informativo:


-Instalar o equipamento seguindo o passo a passo normal;
-Soltar o encaixe do cinto do banco;
-Puxar e travar o cinto na parte de cima, de onde o cinto sai;
-Fechar o encaixe do cinto novamente.

Se ainda assim não conseguir tirar a folga do cinto e a cadeirinha continuar balançando no teste, procure uma loja autorizada da marca do equipamento, lá eles devem conseguir te ajudar a verificar o que está acontecendo.

 

Em qual banco instalar?

Pela regra a criança só vai no banco da frente quando o veículo não tiver o banco de trás. O Detran recomenda, no entanto, que os pais evitem conduzir crianças nesse tipo de veículo. Mas, se o transporte nesse tipo de veículo for inevitável, é necessário que a criança use o equipamento de segurança específico para a sua idade e peso. Também é muito importante que o airbag esteja desligado.

E no banco de trás, qual é a posição mais segura?

 

As estatísticas mostram que o banco do meio no assento traseiro é o local mais seguro, por ficar mais distante das colisões laterais. No entanto, grande maioria dos carros não tem cinto de segurança de 3 pontos ali. Nessa posição também é necessário que um adulto entre com pelo menos parte do corpo no carro para conseguir prender a criança no cinto. 
Em seguida, os números apontam como segundo lugar mais seguro o banco logo atrás do motorista, mas este é o lado que abre a porta para a rua em estacionamento paralelo. 
Assim, é importante refletir bem nessa escolha.