Ajuste correto

Bebê conforto

1. Posicione o bebê diretamente no bebê conforto. Lembre-se que até 1 ano de idade o ideal é que o assento fique inclinado em no mínimo 45º.

2. Atenção ao tamanho do bebê que deve estar com a cabeça completamente apoiada no equipamento. Pode ser necessário usar um redutor de assento, mas cuidado: não faça adaptações com cobertores ou travesseiros, pois podem deixar muito espaço entre o bebê e o cinto. Nessa fase também pode ser útil usar travesseiros de pescoço, como os de avião. Verifique na parte de perguntas frequentes mais dicas se a criança for pequenina ou acima da média em peso ou altura.

2. Verifique que as faixas do cinto do bebê conforto estão passando na altura ou até 2 cm acima ou abaixo do ombro da criança, ou seja, 1 dedo e meio (bem pouquinho). Algumas marcas têm várias posições para adaptar à medida que a criança cresce e se esse é o caso fique atendo para as mudanças de fase.

3. Feche o cinto e aperte para que fique com no máximo um dedo de folga do corpo da criança para evitar o chamado efeito-chicote. E atenção, o uso de clipes peitorais não é permitido pela norma brasileira por dificultar a retirada da criança, que deve ser especialmente rápida em caso de acidente.

4. Faça o teste do afivelamento: belisque a tira do cinto na altura no ombro da criança. Se com esse movimento de pinça você não consegue pegar nenhum excesso de cinto, vocês estão prontos para sair.

 

Na cadeirinha

1. Peça para a criança se sentar reta, com as costas e as pernas completamente apoiadas no equipamento. Não coloque nada atrás ou embaixo da criança, como cobertores ou travesseiros. A única exceção são os travesseiros de pescoço, como de avião.

2. Verifique que as faixas do cinto da cadeirinha estão passando na altura ou pouco acima dos ombros da criança, nunca abaixo.  Algumas marcas têm várias posições para adaptar à medida que a criança cresce e se esse é o caso fique atendo para as mudanças de fase.

3. Feche o cinto e aperte para que fique com no máximo um dedo de folga do corpo da criança para evitar o chamado efeito-chicote. E atenção, o uso de clipes peitorais não é permitido pela norma brasileira por dificultar a retirada da criança, que deve ser especialmente rápida em caso de acidente.

4. Faça o teste do afivelamento: belisque a tira do cinto na altura no ombro da criança. Se com esse movimento de pinça você não consegue pegar nenhum excesso de cinto, vocês estão prontos para sair.

 

No assento elevado

1. Peça para a criança se sentar reta, com as costas e as pernas completamente apoiadas no assento. Não coloque nada atrás ou embaixo da criança, como cobertores ou travesseiros. A única exceção são os travesseiros de pescoço, como de avião.

2. Faça o cinto passar por cima do ombro da criança, mesmo ela que reclame que esteja incomodando. Nunca prenda só a parte de baixo, pois o impacto da barriga com o cinto, na região abdominal, sem os ombros estarem presos, pode causar danos internos aos órgãos e o chamado efeito-chicote no pescoço 

 

No banco, com o cinto de segurança

1. Peça para a criança se sentar reta, com as costas e as pernas completamente apoiadas no banco. Não coloque nada atrás ou embaixo da criança, como cobertores ou travesseiros. A única exceção são os travesseiros de pescoço, como de avião.

2. Faça o cinto passar por cima do ombro da criança, mesmo ela que reclame que esteja incomodando. Nunca prenda só a parte de baixo, pois o impacto da barriga com o cinto, na região abdominal, sem os ombros estarem presos, pode causar danos internos aos órgãos e o chamado efeito-chicote no pescoço 

© ekloos 2017    |    Instituto Triunfo  |    Todos os direitos reservados